Dionio Kotz

O que perdemos com a cultura da violência?

Se hoje vivemos uma realidade em que a cultura da violência, assalto, arrombamento, enfim , de uma verdadeira insegurança, pergunto: será que sabemos ou nos damos conta do quanto perdemos, deixamos de viver e aproveitar em virtude dessa situação?

O Comércio fecha suas portas mais cedo à noite e em algumas situações determinados dias nem abre em virtude da possibilidade de assaltos ou vandalismo que geram vários tipos de prejuízos e medos tanto para os donos dos estabelecimentos quanto para seus funcionários. Alguns Hospitais têm dificuldades com os profissionais que não se sentem seguros em chegar ou sair dos seus locais de trabalho em virtude de assaltos.

Os Estudantes encontram dificuldades quando retornam da faculdade, tanto nas paradas de ônibus quanto em qualquer forma de deslocamento para suas casas por causa dos assaltos ou violência. Os Idosos e a população em geral estão praticamente proibidos de sair à noite para qualquer programação sem que haja um planejamento de um “esquema especial” para evitar assalto ou roubo. Os espetáculos e centros culturais perdem significativamente em virtude do medo do público ao sair de casa para assistir a um espetáculo à noite.

Infelizmente está sendo assim em todos os setores com pessoas de todas as idades e em todas as situações. Estamos perdendo a nossa liberdade, mudando a nossa maneira de agir e viver em virtude da insegurança. Falta a definição clara de uma prioridade por parte do poder público, relacionada à segurança do cidadão e da maioria das pessoas que tem uma conduta digna e correta. Será que nos damos conta de quanto perdemos em virtude dessa situação?

Será que somos nós cidadãos que temos que abrir mão de inúmeras situações de trabalho, de lazer, de ir e vir, por não termos políticas claras, ações continuadas e efetivas em relação a essa falta de segurança? Acreditamos que está na hora de todos juntos tomarmos conta das ruas, praças, exigir politicas de segurança mais efetivas e ao mesmo tempo nos unirmos a órgãos de segurança para construirmos novas maneiras de enfrentar a situação. Esse foi o tema central da reunião promovida pela Amabi no dia 26/06/17, que reuniu várias entidades do bairro, associações e o setor da segurança resultando em algumas boas sugestões. E para dar continuidade já definindo local e data para uma nova reunião, marque na sua agenda o dia 24/07, às 19h30min, na Universidade Federal de Ciência da Saúde de Porto Alegre.

Dionio Kotz é presidente da AMABI (Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Independência)

print

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest