Projeto cultural leva arte aos usuários do metrô

Na Estação Mercado da Trensurb, grupo A4, de Novo Hamburgo, distribuiu reproduções de trabalhos em destaque na exposição “Arte + Arte 2017”, em cartaz no Espaço Multicultural Livros sobre Trilhos.

Varais” repletos de obras de arte atraíram os olhares curiosos de quem passava pela plataforma de embarque da Estação Mercado na tarde de quarta-feira (18). As peças expostas eram parte de uma edição especial do Mesa de Arte na Rua, a quinta do projeto promovido pelo grupo A4, de Novo Hamburgo. A artista plástica Magna Sperb explica que o objetivo da atividade é “levar a arte aonde o povo está”. Além de dar destaque às obras que são parte da exposição Arte + Arte 2017: Arte e Política, Olhares Contemporâneos – em cartaz no Espaço Multicultural Livros sobre Trilhos –, a ação contou com a distribuição gratuita de reproduções das peças aos usuários do metrô. Proporcionou, ainda, o contato direto entre os artistas e as pessoas que transitavam pela estação.

“É o que mais gosto”, afirma o artista plástico Moisés Braun sobre a interação direta com o público. Ele participou pela primeira vez de uma edição do Mesa de Arte na Rua e aprovou a ação. Para Moisés, “quadro em museu é quase uma sentença de morte” e o modelo proposto pelo projeto, definido por ele como “arte a pronta-entrega”, é “muito interessante, especialmente em nosso país que não tem motivação cultural espontânea”. Moisés também destaca a gratuidade e a facilidade de acesso à arte proporcionados pela atividade. Usuária diária do metrô, Camila Amaral foi para casa com uma das reproduções distribuídas durante o Mesa de Arte. Ela, que mora em Canoas e trabalha em Porto Alegre, diz ter se identificado com as cores da gravura escolhida e ficou muito contente de poder levá-la. “É uma iniciativa legal dentro desse espaço que temos, é uma iniciativa boa para a arte”, afirma. Também usuária frequente do metrô, Juliana Silva havia saído do trabalho, em Porto Alegre, para se dirigir a Sapucaia do Sul, onde mora, quando se deparou com a montagem dos “varais” com obras de arte. Imediatamente, demonstrou interesse, conversou com as organizadoras, fez fotos e vídeos das peças expostas e acabou adiando seu embarque no trem. “Muito interessante”, diz ao ser perguntada sobre sua opinião a respeito da ação. “Temos que valorizar os artistas locais”, declara. Ela destaca a possibilidade de levar as obras para casa, o que compara a uma espécie de “amostra grátis” de arte. Juliana parabeniza a organização da atividade e classifica como “inteligentíssima” a ideia de realizá-la no metrô. “Às vezes não se tem tempo para parar e apreciar a arte e a ação nos traz essa chance”, conclui.

Levando arte aonde o povo está

Levar a arte às pessoas “desprevenidas”, a locais onde elas não esperam encontrá-la é o objetivo do Mesa de Arte na Rua conforme a artista Magna Sperb, do grupo A4. “Nossa intenção é divulgar”, afirma Magna sobre o projeto. Para o grupo, segundo ela, é importante que “pessoas que não tenham arte em casa levem, valorizem”. Além de Magna, integram o grupo A4, as artistas Débora Piva e Simone Blauth e a galerista Ana Hauschild. A fotógrafa Mona Locks também é uma parceira constante. Todas elas participaram da edição especial do projeto no metrô, bem como os artistas Moisés Braun e Dora Lampert. Magna observa que o comportamento do público na estação é um pouco diferente dos locais usuais das ações do grupo, as praças do Vale do Sinos. Enquanto que as praças são locais de visita e permanência, que facilitam a interação das pessoas com as obras e os artistas, uma estação de metrô é um local de passagem e, às vezes, é necessário um certo esforço para que haja um engajamento maior. No entanto, conforme afirma a galerista Ana Hauschild, mesmo na estação, “o pessoal se interessa naturalmente”. Ana, que também é usuária do metrô, brinca dizendo que quando chega na estação costuma “se jogar” rapidamente para dentro do trem. Ela esperava que a grande maioria fizesse o mesmo durante a ação do Mesa de Arte. Ana declara, no entanto, que se surpreendeu positivamente com o engajamento do público.

Olhares contemporâneos em destaque

As peças disponíveis na quinta edição do Mesa de Arte na Praça eram reproduções de obras expostas na mostra Arte + Arte 2017: Arte e Política, Olhares Contemporâneos. A exposição – em cartaz até 31 de outubro no Espaço Multicultural Livros sobre Trilhos, na plataforma de embarque da Estação Mercado – traz obras de 99 artistas contemporâneos que participam do projeto do grupo A4, selecionado em edital promovido por Associação Chico Lisboa e Sesc Centro. O Arte + Arte 2017 dá espaço para que os autores possam dar visibilidade ao que, nas suas percepções, ocorre de inaceitável na sociedade, seja defendendo a democracia no seu sentido mais amplo e/ou contribuindo para que se abram janelas históricas, para se oportunizar mais igualdade e paz social. Magna Sperb destaca que a exposição traz peças com diversos temas, de artistas com estilos e técnicas variados, desde jovens iniciantes até aqueles com experiência internacional. Para ela, é interessante perceber como essa diversidade se reflete nas escolhas do público do Mesa de Arte, que leva as reproduções para casa: “As pessoas têm gostos tão diversos quanto os artistas são diversos”.

As obras do Arte + Arte 2017 também estão presentes em outros três locais em Porto Alegre: na Galeria de Arte do DMAE (Rua 24 de Outubro, 200), no Café Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665) e na Associação Chico Lisboa (Travessa Venezianos, 19).

Foto: Kauê P. Menezes/Trensurb

print

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest