Orquestra Unisinos Anchieta apresenta ópera “Il Maestro di Musica”.

A regência é do maestro Evandro Matté e tem como solistas: Flávio Leite, Raquel Fortes, Francis Padilha e Elisa Lopes.

A ópera será apresentada hoje em São Leopoldo( 24), no Anfiteatro Padre Werner, e em Porto Alegre, amanhã (25), no Teatro Unisinos.

As duas apresentações tem início às 20 horas.

A entrada é franca, com retirada antecipada de senhas.

            A Orquestra Unisinos Anchieta traz para os palcos a apresentação da ópera “Il Maestro di Musica” – “O professor de música”, ópera cômica do compositor Giovanni Battista Pergolesi.

            Sob a regência do Maestro Evandro Matté e direção cênica de Flavio Leite a orquestra irá apresentar a ópera sob a forma semi encenada, em que a orquestra está em cena, e não no fosso, e há atuação dos cantores de acordo com seus personagens, além de outros elementos cênicos que darão vida à ópera. Os diálogos serão em Português e os cantos em Italiano, devidamente legendados.

            “Il Maestro di Musica” faz parte do repertório Barroco Italiano, do gênero buffo, termo usado para descrever a versão italiana da ópera-cômica. O enredo retrata a história de Lamberto, um professor de Canto, que nutre uma secreta paixão por sua ambiciosa aluna Lauretta, e que sonha em fazer dela uma grande cantora. Mas, em suas vidas surge Collagianni, um rico agente de Nápoles, que também se apaixonou perdidamente por Lauretta e propõe que ela parta com ele, à procura de uma grande carreira.

            Há diversos pontos importantes que envolvem esta ópera, dentre eles, será pela primeira vez apresentada no Rio Grande do Sul e a 3ª no Brasil, em razão de existir apenas o manuscritos da obra e a edição crítica da partitura feita pelo musicólogo Sérgio Dias, que a partir de intensa pesquisa, teve acesso aos manuscritos e em Nápoles fez essa revisão crítica, ou seja, não existe o material editado para as orquestras e cantores o que dificulta os  estudos e interpretação.

            Os personagens serão interpretados por:

            Lamberto (o professor de canto): Flavio Leite – tenor

            Lauretta (aluna preferida): Raquel Fortes – soprano

            Dorina (aluna): Elisa Lopes – soprano

            Colagianni (empresário): Francis Padilha – barítono

            Os concertos têm o patrocínio das empresas: Stihl,  Gedore, In Betta e conta com apoios de: Borex, Unique, HSS Informática e Impressos Portão.  Lei de Incentivo à Cultura – realização Governo Federal Ordem e Progresso.

O Anfiteatro Padre Werner localiza-se à Av. Unisinos, 950 – São Leopoldo – RS e o Teatro Unisinos na Av. Nilo Peçanha, 1640 – Porto Alegre – RS.

RETIRADA DE SENHAS:

  • Para o Concerto em São Leopoldo: as senhas podem ser retiradas a partir do dia18.04.2018 no Sesc/SL e na Central de Atendimento ao aluno, Campus São Leopoldo
  • Para o Concerto em Porto Alegre a retirada das senhas será a partir das 14h do dia 23.04 na recepção da Torre Educacional da Unisinos em Porto Alegre.

SERVIÇO:

O quê: Concerto Série Magis – Orquestra Unisinos Anchieta – Ópera “Il Maestro di Musica”

Quando: 24.04 – terça-feira – 25.04 – quarta-feira – às 20 horas

Onde: 24.04 – Anfiteatro Padre Werner (Av. Unisinos, 950 – São Leopoldo – RS)

            25.04 – Teatro Unisinos (Av. Nilo Peçanha, 1640 – Porto Alegre – RS)

Informações gerais: (51) 3590 8228

ENTRADA FRANCA com retirada de senha

 Saiba mais:

Sinopse da ópera:

A casa de um respeitado professor de música, como um conservatório, é muito procurada por seus valiosos ensinamentos. Lamberto, o exigente professor dedica uma atenção especial a sua aluna Lauretta, pouco atenta e esforçada, mas bonita e sedutora. O empresário Colaggianni chega à casa para contratar cantoras e se encanta por Lauretta, querendo, de imediato, mesmo sem ouvi-la cantar uma ária, assinar um contrato. Lamberto se opõe energicamente, pois considera que ela ainda não está preparade para a carreira artística.

Em um momento de desatenção do mestre, o empresário aproveita para seduzir a aluna, fazendo-lhe uma declaração de amor e prometendo grande sucesso pelos palcos do mundo, deixando Lauretta confusa. O professor, querendo provar que sua discípula precisaria de mais estudo para enfrentar o público, convoca Lauretta e Dorina para um dueto. Mas percebendo que sua aluna estava inclinada a aceitar a proposta de Colagianni, passa Lamberto a tratá-la gentilmente, levando Lauretta a conciliar os interesses dos dois de modo a incluir, no contrato, o professor como seu acompanhador ao cravo em suas futuras récitas.

Fonte: www.movimento.com/2015/06/o-professor-de-musica-de-pergolesi-em-niteroi/

Por Bruno Furlaneto

 Elenco:

 Orquestra Unisinos Anchieta 

Fundada em 1996, pelo Maestro José Pedro Boéssio, a Orquestra Unisinos Anchieta realiza uma programação artística diversificada, atendendo a diferentes perfis de público, buscando a renovação de ideias, abordagens e leituras, além de promover associações inesperadas pela música de concerto, contemporânea e popular. A proposta, além da simples oferta de apresentação da orquestra, objetiva garantir o acesso não apenas à música de concerto, mas a outras linguagens vinculadas às raízes musicais brasileiras e ao repertório de importantes compositores populares. Vencedora do Prêmio Açorianos de Música em 2005, a orquestra entrega ao público o diferencial de espetáculos com inclusão de outras linguagens cênicas, tais como, teatro, dança e artes plásticas. Importantes concertistas e músicos de distintos estilos atuaram com a orquestra, entre eles: Altamiro Carrilho, Emmanuele Baldini, Fred Mills, Kleiton & Kledir, Pierre Dutot, Renato Borghetti, Yang Liu, entre outros. Nos últimos anos, a Orquestra Unisinos Anchieta tem apresentado diferentes séries de concerto, com destaque para as óperas Il Campanello di Notte e Rita (Donizetti) e Bastien Bastienne (Mozart). A direção artística e regência da orquestra estão sob a responsabilidade do maestro Evandro Matté.

Maestro Evandro Matté

Regente, diretor artístico e maestro da Orquestra Unisinos Anchieta; diretor artístico e maestro da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre – RS (Ospa) e diretor artístico do Festival Internacional SESC de Música, que acontece em Pelotas; Realizou sua formação musical na Universidade Federal do RS, na University of Georgia (EUA) e no Conservatoire de Bordeaux (FRA). Trompetista da Ospa desde 1990, é também coordenador cultural da UNISINOS (Universidade do Vale do Rio dos Sinos).  Esteve à frente de orquestras do Uruguai, EUA, Argentina, França, China, República Checa e Alemanha. É coordenador do projeto social Vida com Arte, que atende 250 crianças, proporcionando inclusão social através da música. É pós-graduado em Gestão Empresarial.

Flávio Leite – Tenor

Presença frequente nas temporadas dos principais palcos nacionais, Flávio Leite tem se firmado como um dos mais atuantes e versáteis cantores líricos brasileiros de sua geração. Acumula experiência em óperas que vão desde Il Combattimento di Tancredi e Clorinda de Monteverdi à Lulu de Alban Berg. Já foi Pylade em Iphigenie en Tauride, Jaquino em Fidelio, Tamino em A Flauta Mágica, Ferrando em Cosi Fan Tutte, Don Ottavio em Don Giovanni, Conde Almaviva em O Barbeiro de Sevilha, Don Ramiro em Cenerentola, Tonio em La Fille du Regiment, Beppe em Rita, Camille em A Viúva Alegre, Pong em Turandot, Mozart em Mozart e Salieri, Chevalier de la Force em Diálogo das Carmelitas, Professor em A Raposinha Astuta, Edrisi em Rei Roger, entre outros, acumulando 50 personagens em 8 idiomas diferentes já em repertório, desenvolvidos em 15 anos de carreira profissional. Com especial atenção às óperas de compositores brasileiros contemporâneos, nos últimos anos fez as estreias mundiais das óperas Dulcinéia e Trancoso e a Ópera do Mambembe Encantado de Eli-Eri Moura, O Menino e a Liberdade de Ronaldo Miranda, O Perigo da Arte de Tim Rescala, gravou a ópera A Estranha, de Vagner Cunha e participou da premiada versão moderna da última ópera de Villa-Lobos, A Menina das Nuvens.  Cantou sob a regência de Luiz Fernando Malheiro, Roberto Duarte, Silvio Viegas, Marcelo de Jesus, Fábio Mechetti, Carlos Alberto Vieu, Enrique Ricci, Alessandro Sangiorgi, Massimiliano Carraro e foi dirigido cenicamente por André Heller-Lopes, William Pereira, Jorge Takla, Gustavo Tambascio, Vincent Boussard, Robert Driver, Ron Daniel, Gerald Thomas, entre outros. Desenvolve ainda ampla atividade como camerista e solista em oratórios e obras sinfônicas como Magnificat, Cantata do Café e Oratório de Natal de Bach, Messias de Händel, A Criação de Haydn, Requiem de Mozart e de José Maurício Nunes Garcia, Nona Sinfonia e Fantasia Coral de Beethoven, Stabat Mater e Petite Messe Solennelle de Rossini, Messa di Gloria de Puccini, Carmina Burana de Orff e Le Roi David de Honegger com os principais regentes e orquestras brasileiras. Flávio Leite é pós-graduado pelo Conservatório Superior del Liceu, em Barcelona e Mestre em Música pela Universidade Federal do Rio de Janeiro

Raquel Fortes – soprano

Bacharel em Canto Lírico pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Integrou a classe de jovens cantores do Opera Studio do Theatro Municipal de São Paulo, interpretando Primeira Dama e Rainha da Noite da ópera “A Flauta Mágica” de Mozart. Na UFRGS, fez parte dos elencos das óperas “Dido e Enéias” e “Orfeu” de Claudio Monteverdi. Apresenta-se com as principais orquestras do Rio Grande do Sul e tem como orientador vocal o tenor Flávio Leite, além de participar de master classes com profissionais de carreira nacional e internacional.

Elisa Lopes – soprano

Bacharel em canto pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a soprano porto alegrense Elisa Lopes iniciou sua carreira artística em 2006 quando ingressou no Conservatório Pablo Komlós, orientada pelo tenor Decápolis de Andrade. Desde então tem se apresentado como solista em concertos com diversas orquestras do Rio Grande do Sul. Destacam-se concertos com a OSPA, como a ópera Cavalleria Rusticana de P. Mascagni, sob a batuta de Enrique Ricci, OSUCS, como a famosa Missa da Coroação de W. A. Mozart, sob a regência de Manfredo Schmiedt e Orquestra Unisinos / Anchieta, tendo como destaque a ópera A Flauta Mágica encenada, no papel de Papagena, regida pelo maestro Evandro Matté no ano de 2013. Participou de diversos festivais e masterclasses com artistas renomados da cena lírica internacional. Dentre eles estão Neyde Thomas (Brasil), Juremir Vieira (Brasil), Luisa Gianinni (Itália), Martha Herr (EUA/Brasil) e Eiko Senda (Japão/Uruguai).

Francis Padilha – barítono

Bacharel em Regência Coral e Canto pela UFRGS e licenciando em Música pela mesma universidade. Foi professor de Técnica Vocal em três edições dos painéis Fecors, Festival de Inverno de Londrina, Laboratório Coral Fecors e Laboratório Coral de Itajubá/MG. Foi Regente do Coral Cênico no I Musikfest Fest/RS e Diretor Artístico na Montagem da Ópera Bodas de Fígaro. Ganhou o Prémio Júri popular e o 3º lugar masculino no 9º Concurso Internacional de Canto Bidu Sayão. Também participou do Concurso Internacional de Canto de Trujillo no Peru. Já atuou no programa Terças Líricas no Palácio da Justiça de Porto Alegre nas Óperas Carmen, Otelo, Il Pagliaci, Madame Butterfly. Atuou também em montagem completas de Carmen, Il Signor Bruschino e Amahal and Nighth Visitors. Atualmente rege os coros Adufrgs-Associação dos Docentes da UFRGS, Ulbrati-Ulbra terceira Idade, Coral Juvenil Allegro, Grupo vocal Anasps e Unisinos Anchieta.

print

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ 18 = 21

Pin It on Pinterest